Quando a décima sétima temporada do reality show Big Brother Brasil foi lançada em janeiro de 2017, eu não tinha ideia do que esperar. Estava ciente do sucesso que o programa tinha entre o público brasileiro, mas nunca tinha assistido antes. Decidi dar uma chance ao programa e comecei a assistir aos primeiros episódios. Fiquei imediatamente envolvido com o formato do programa e a competição entre os jogadores.

O programa Big Brother Brasil é uma competição de 3 meses de duração, em que cerca de 18 participantes ficam confinados em uma casa, sem contato com o mundo exterior. Cada semana, os jogadores participam de provas para se tornarem líderes da semana ou para evitar a eliminação. Os jogadores devem fazer alianças e estratégias para eliminar os outros participantes, ao mesmo tempo em que tentam ganhar o prêmio final de um milhão e meio de reais.

O que tornou o programa interessante para mim foi a variedade de personalidades que os jogadores apresentavam. Havia jogadores inteligentes e estrategistas, jogadores atléticos e competitivos, jogadores engraçados e extrovertidos, e jogadores com histórias pessoais comoventes. A diversidade tornou a experiência do programa mais rica e emocionante.

Durante o programa, comecei a torcer por determinados jogadores, com base em suas personalidades e estratégias de jogo. Em particular, torci por Emilly, uma jovem de 20 anos de idade que cresceu em uma família pobre e com muitas dificuldades financeiras. Eu me identifiquei com a história dela e admirei sua determinação em vencer o jogo e mudar sua vida para melhor.

O programa também apresentou momentos emocionantes e surpreendentes. Lembro-me de quando um dos jogadores teve que deixar a casa por motivos pessoais e foi substituído por sua irmã gêmea. Fiquei impressionado com a dinâmica que isso criou, pois a irmã gêmea precisou se adaptar rapidamente à personalidade dos outros jogadores para não ser eliminada.

No final, Emilly saiu vencedora do programa, ganhando o prêmio de um milhão e meio de reais. Fiquei muito feliz por ela e por ter acompanhado a jornada dela até o final. O programa Big Brother Brasil 2017 não apenas me proporcionou entretenimento e diversão, mas também me ensinou sobre a importância da estratégia, determinação e trabalho em equipe.

Em conclusão, Big Brother Brasil 2017 se tornou meu programa favorito de televisão brasileira. A competição entre os jogadores, a diversidade de personalidades, as histórias pessoais e as surpresas tornou a experiência do programa emocionante e viciante. Eu recomendo este programa para aqueles que procuram um bom entretenimento e uma competição acirrada.